segunda-feira, março 21, 2011

MAIS UM DIA NESTE DIA DA POESIA!

Um dia,

Anoitecia,

Já mal se via,

Algo aparecia.


Da escuridão,

Quem me diria?

- Sou tua amante, tua paixão!

Sou alegria.


Correndo, da solidão,

Esfuziante, coisa que há muito não sentia,

Em pouco tempo, com prontidão,

Veio-me à mente a poesia.


Por vezes usamos a poesia, não para divagar com realidades, mas sim para as mostrar. Usamos as variantes mais belas da nossa mente, a bondade, a saudade, o sentimento e dor por quem sofre, como que a pala de um vulgar boné para esconder as outras: as subjectivas e irreais. Um dia, em plena guerra, ao ver crianças maltratadas, olhei nos olhos dos malfeitores e disse-lhes: «Quem não deixar crescer as crianças, será sempre pequeno.» Pode parecer estranho, mas dos poucos que ainda conheço, a maioria já morreu, nenhum cresceu, os que ainda vão estando por aqui, continuam todos muito pequenos.


David Santos

terça-feira, março 08, 2011

quarta-feira, março 02, 2011